Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Casa Misteriosa" de Marzia Bisognin

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014
Autora: Darynda Jones
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 272
Editor: Círculo de Leitores
ISBN: 9789724248271

Sinopse:
Charley Davidson, investigadora privada a tempo parcial e ceifeira negra a tempo inteiro. Quer dizer que vê os mortos. Vê mesmo. E a função dela é convencê-los a "irem para a luz". Mas quando esses mortos muito mortos morreram em circunstâncias pouco ideais, querem que Charley entregue os maus à justiça. Para complicar, tem andado a ter uns sonhos muito sensuais com um ser que a tem seguido toda a vida...
Com tensão ao rubro e humor a rodos, Primeira Campa à Direita é o passaporte para momentos de suspense da melhor qualidade.
Num enredo repleto de humor, sensualidade e suspense, Darynda Jones criou uma série de cinco audaciosos thrillers. Primeira Campa à Direita, o primeiro da série, coloca-nos face a uma ambiguidade constante entre o bem e o mal, entre a vida e a morte, entre o desejo de ajudar e a força maligna que sempre acompanha (e tenta) Charley, a protagonista.


Opinião:
Primeira leitura "a sério" no meu lindo kobo. Já li através do kobo uns quantos contos, mas este foi o primeiro livro que li por lá, e devo dizer que se lê muitíssimo bem por lá :) Não estava à espera de gostar tanto, mas acabou por ser um bom negócio. Adquiro livros a um preço muito menor (por vezes até são gratuitos) e a qualidade de leitura é a mesma que um livro. Até dá mais jeito em certas situações, como por exemplo se levamos o livro connosco nos transportes ou assim. É menos peso e temos muitas opções de leitura. Mas passando para a opinião em si, este é um livro publicado em Portugal, pelo Círculo de Leitores, sendo que me havia captado imenso a atenção. Assim quando o consegui ler, não resisti a meter mãos à obra e chego a atrever-me a compará-lo um pouco com a saga de Mercy Thompson da autora Patricia Briggs, especialmente devido à personalidade da personagem principal.

Charley desde pequena que carrega um dom (ou será uma maldição?). É um anjo da morte, sendo a sua missão tentar levar os espíritos dos mortos para o "outro lado". Para estes espíritos ela é como uma grande bola de luz, uma bola de luz andante, falante e deveras respondona. Tendo esse dom desde criança, cedo aprendera a falar o menos possível dele, pois quando uma pessoa afirma que é um anjo da morte, especialmente em criança, a reacção é gozarmos e afastarmos-nos da pessoa. Não tendo muitos amigos humanos, acaba por tê-los em espírito, acabando assim por ser constantemente seguida por todos os lados por alguns espíritos e tendo inclusive alguns a morar em sua casa.

A única pessoa que sabe desde dom é o seu tio, que sempre a ajudou a escondê-lo, algo que é essencial, especialmente nos relatórios policiais. Porque sim, Charley é uma investigadora privada, especialmente boa em casos de assassinado, não fosse o caso de acabar sempre por ver e falar com o espírito da pessoa assassinada. Mas este novo caso acaba por a envolver mais que o habitual, apanhado-a inclusive numa altura mais frágil, em que a nossa detective descobre que tem um anjo protector assustador e que se apresenta com um uniforme da prisão. Quem será o misterioso homem que a salva sempre das piores situações? E porque é que estão a ocorrer vários homicídios em simultâneo cujas vítimas se ligam a apenas uma pessoa?

Devo dizer que gostei deste livro e me surpreendeu pela positiva. Como referi em cima, a personagem principal deste livro, Charley, fez-me lembrar de certo modo a Mercy da grande saga de Patricia Briggs. Uma personagem forte, decidida e que quer ultrapassar a toda a força os seus problemas sozinha, sem ajuda de ninguém. Tal como Mercy, acaba sempre por ter pessoas que a querem ajudar, especialmente homens. É verdade que Charley não é um ser sobrenatural da mesma categoria de Mercy, nem está rodeada por lobisomens, mas acaba por ser um anjo da morte e acabamos no final deste livro por descobrir que estava mais rodeada por personagens sobrenaturais do que a própria suspeitava. O livro está escrito num tom descontraído e irónico, sendo que mesmo nas piores situações há alguma coisa que nos faz soltar umas boas gargalhadas, especialmente porque o livro é escrito na primeira pessoa e os pensamentos de Charley são hilariantes.

Um livro que recomendo e uma saga que irei sem dúvida continuar a ler!

2 devaneios :

risonha disse...

Tens que ler o resto da colecção... eu já li até ao quinto volume, e cada um que leio é melhor que o anterior.

v_crazy_girl disse...

Ai que ainda me deixas mais curiosa *.*