Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Se Eu Fosse Tua" de Meredith Russo

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

quarta-feira, 16 de abril de 2014
Autor: John Verdon
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 480
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-04373-3

Sinopse:
David Gurney, um ex-detetive da Polícia de Nova Iorque, aceita encontrar-se com uma jovem que está a realizar um documentário sobre o Bom Pastor. Uma década atrás, uma série de assassinatos fizeram deste serial killer notícia de primeira página. Mas os crimes pararam, sem que ninguém tenha percebido porquê.
Para o FBI este era um caso arquivado, até Gurney descobrir elementos que a investigação inicial tinha desprezado e arriscar a própria vida para encontrar o Bom Pastor, transformando-se no próximo alvo do assassino.
Dave Gurney sabe que está perante um homem perigoso e inteligente… um diabo que despertou.


Opinião:
Deste autor já tinha lido um livro, "Pensa Num Número" e adorei o que li. Adorei como o autor conseguira criar algo tão aleatório e ao mesmo tempo tão certeiro no caso do livro anterior, e a referência a sequências de número e afins ainda me captara mais a atenção. Dessa forma quando me surgiu a hipótese de ler outro livro do autor não resisti, embora deva dizer que o que me chamou mais a atenção neste livro não foi a sinopse, mas sim a capa e o título. A capa promete um policial negro e muito suspense e embora o policial não tenha sido tão negro quanto a capa prometia, a verdade é que adorei o que li, de uma ponta à outra, tendo apenas pena de ter saltado um livro na saga do polícia David Gurney, algo que notei pelos pormenores que relatavam o último incidente que este tinha tido, que de certeza aconteceu no volume anterior.

David Gurney começa a desconfiar estar a ficar louco. Sente-se constantemente irritado, o zumbido que agora faz parte do seu dia a dia devido ao ferimento de bala que sofrera na cabeça não o deixa ter um único momento de sossego e sente-se a ficar cada vez menos atlético e preparado para se se encontrar de novo em algum sarilho. Quando pensa que finalmente terá algum tempo para recuperar, recebe um telefonema de uma jornalista que há uns anos tinha escrito uma peça sobre si, o "superpolícia". Essa jornalista quer pedir-lhe um pequeno favor. Que Gurney ajude a sua filha com o seu novo documentário. Esse documentário é sobre o décimo aniversário dos homicídios do Bom Pastor. Um assassino que matara seis vítimas e do nada parara e desaparecera, sendo um caso que nunca fora resolvido. A filha da jornalista, Madeleine, ia fazer um documentário sobre as famílias das vítimas e de como estas se sentiam após os dez anos que haviam decorrido desde o assassinado.

Mas alguma coisa não está certa. Estranhas ameaças de uma voz sem nome ameaçam Madeleine constantemente, deixando mensagens com sangue e facas em sítios estratégicos. Mas quando a ameaça passa para Gurney, este compreende que o documentário acordara o diabo e que tudo poderá voltar a acontecer como há dez anos atrás...

Muito sinceramente gostei mais do livro "Pensa Num Número" do que este, muito provavelmente devido à importância do valor dos número por trás de toda a história. Este é um romance que apesar de ter a parte policial do caso do Bom Pastor, centra-se muito em Gurney e na mudança operada neste desde, o que eu presumo, o livro anterior. Tendo eu apenas lido o primeiro livro, essa diferença foi muitíssimo notável. Está uma personagem mais avarenta, mais irritadiça com tudo em seu redor... Ao mesmo tempo temos uma personagem mais sentimentalista, especialmente no que toca à sua relação com o seu filho, sendo que finalmente percebe o que perdera durante todos os anos em que apenas se centrara com a carreira.

Neste livro estamos perante um assassino que é um verdadeiro psicopata. Frio e calculista, mas ao mesmo tempo picuinhas com os pormenores e a perfeição. Um assassino de quem se desconfia a meio do livro, mas que nunca temos provas suficientes para apontar para ele e dizer "este é o assassino!". Devo dizer que gostei do motivo, por demais racional, do assassino para cometer os crimes. Um motivo que por um lado soube a pouco, mas por outro era a explicação perfeita.

Um bom policial, com personagens que já conhecemos de outros livros pertencentes à saga e que nos fazem querer ler mais e mais sobre David Gurney e as suas aventuras.

0 devaneios :