Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Derradeira Ilusão" de Diane Chamberlain

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015
Autor: John Green
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 304
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722352925

Sinopse:
Quentin Jacobsen e Margo Roth Spiegelman são vizinhos e amigos de infância, mas há vários anos que não convivem de perto. Agora que se reencontraram, as velhas cumplicidades são reavivadas, e Margot consegue convencer Quentin a segui-la num engenhoso esquema de vingança. Mas Margot, sempre misteriosa, desaparece inesperadamente, deixando a Quentin uma série de elaboradas pistas que ele terá de descodificar se quiser alguma vez voltar a vê-la. Mas quanto mais perto Quentin está de a encontrar, mais se apercebe de que desconhece quem é verdadeiramente a enigmática Margot.
Cidades de Papel é um romance entusiasmante, sobre a liberdade, o amor e o fim da adolescência.


Opinião:
Acho que posso afirmar que todos conhecem este autor. Desde que saiu o livro "A Culpa é das Estrelas", a já conhecida estrela de youtube John Green aumentou cada vez mais a sua fama. Todos os seus livros são bestsellers e inúmeros encontram-se prestes a ser adaptados para o grande ecrã. Pelo que tenho lido este será o próximo título de John Green a sair no cinema, por isso foi um bom livro para ler antes do filme.

Margo é a popular. Conhecida por todos, é uma pessoa de aventura. Conhece pessoas mais velhas, pessoas de outros estados... Namora com um dos rapazes mais populares da escola e todos querem ser seus amigos. Quentin é o oposto. Um rapaz calado, que tem um restrito grupo de amigos e que de raparigas... apenas tem sorte com as que pertencem à banda, as menos populares e menos requisitadas. É um aluno mediano que vai passando sem grandes notas e que adora divertir-se com os amigos contando piadas e falando de raparigas.

Passado anos sendo vizinho de Margo e sem se falarem, Quentin dá com esta rapariga à sua janela a pedir-lhe boleia! Não para um sítio normal, mas sim para a ajudar a pregar partidas a todos aqueles que sabiam que o seu namorado a havia traído e nada lhe diziam e claro... ao próprio namorado e à rapariga que agora estava com ele. Após estas partidas Margo desaparece rapidamente e Quentin decide que ela fizera de propósito e que o objetivo era ele encontrá-la. Mas como o irá fazer?

Cada vez mais noto uma certa similaridade entre os diversos livros de John Green e este livro não foi excepção. Personagens jovens, a descobrirem mais sobre a vida de uma forma muito peculiar. Há sempre a personagem principal (masculina por norma), o(s) amigo(s) engraçado(s) que acaba sempre por ser o mais filosófico de todo o grupo e como não podia deixar de ser, a rapariga que tem uma maneira de viver também muito filosófica e que costuma desaparecer em alguma altura do livro. Pelo menos quase todos os seus livros são assim. Chego mesmo a afirmar que o "A Culpa é das Estrelas" é dos livros mais distintos que o autor tem, sendo um pouco diferente de todos os outros e não tendo todos os mesmos ingredientes.

Neste Margo é a rapariga filosófica que desaparece e Quentin o rapaz que vai atrás dela. É um livro que fala sobre as escolhas que se fazem na vida e ao que estas levam. Sobre a passagem para a vida adulta deixando as brincadeiras de criança e os primeiros amores de lado.

John Green tem os seus altos e baixos e este livro é um intermédio. Não é inesquecível, mas também não é nada mau.

2 devaneios :

Isaura Pereira disse...

Olá!

Já li John Green e não me seduziu muito, mas gostava de ler outros livros dele para ter a certeza. Este é um dos que gostava de ler.

Beijinhos e boas leituras!

Vanessa Montês disse...

John Green para mim é um autor sobrevalorizado. Tem uma forma especial de explorar os assuntos, mas sinto sempre que falta ali algo. Apesar disso este até é uma boa leitura :)