Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Se Eu Fosse Tua" de Meredith Russo

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015
Autores: David Ellis e James Patterson
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 352
Editor: TopSeller
ISBN: 9789898626462

Sinopse:
Sem deixar rasto. Sem qualquer motivo. Um serial killer imparável. Uma revelaçãoesconcertante.
Emma está obcecada com a investigação de uma série de incêndios que provocou a morte de pessoas e que à primeira vista parecem não ter qualquer ligação entre si. Todos dizem que foram acidentais, mas Emma insiste que foram provocados por um único serial killer.
Mas há algo mais, e muito pessoal, que move Emma: uma das vítimas era sua irmã. Irmã gémea.
Nem mesmo o seu ex-namorado, um antigo agente do FBI, consegue acreditar que dezenas de incêndios, raptos, mutilações e assassínios estejam todos relacionados. Mas Emma vai encontrar uma peça-chave que os ligará a todos.
Novos crimes surgem a cada dia e todos parecem inexplicáveis. Sem motivos, sem armas do crime e sem suspeitos. E Emma não vai descansar enquanto não encontrar o assassino. Ou irá o assassino encontrá-la a ela primeiro? Pode realmente uma única pessoa ser responsável por estes crimes impensáveis?


Opinião:
James Patterson, um autor que escreve todo o tipo de género literário e que me surpreende de livro para livro. Um nome reconhecido mundialmente pelo seu dom literário e pela forma única de como o utiliza. Pelas parcerias que faz em diversos autores e pelas diversas séries que escreve em simultâneo continuando a manter a sua qualidade. Este foi um livro que comecei a ler não pelo nome de James Patterson (o pobre do autor David Ellis tinha o nome em letras tão pequenas que inicialmente nem me apercebi que era um livro escrito em conjunto) mas pela capa e a sinopse. Afinal, quem é que não gosta de policiais em que os principais investigadores estão envolvidos emocionalmente com o caso? Eu sei que não sou excepção a essa caso, antes pelo contrário.

Emma está fora de si desde que a sua irmã fora encontrada morta na sua própria cama, vítima de um estranho incêndio que deflagrou no próprio quarto sem a mesmo se aperceber e conseguir fugir. Mas Emma conhece a irmã melhor que ninguém. Além de irmãs eram gémeas, metade de um todo! Conheciam-se uma à outra melhor do que a si mesmas e quando Emma entra no quarto da irmã após o desastre repara de imediato em algo estranho... Toda a mobília de Emma se encontra numa estranha disposição! Os móveis estão nos lugares errados, além de que a irmã nunca tinha sido fã de velas, o que deflagrara o incêndio.

Achando tudo aquilo muito estranho, Emma começa a investigar por conta própria, pois ninguém acredita em si e, por mais que lhe repitam que está doida e a ver casos policiais onde eles não existem. Conseguindo contactar com um dos seus amigos mais recentes, ex-namorado e agente do FBI muito consagrado, Emma consegue que olhem duas vezes para a investigação que estava a levar a solo, levando a que muitos comecem finalmente a ver o estranho relacionamento entre todos os casos.

Este foi um dos livros de James Patterson que li que mais me prendeu do início ao fim. A personalidade de Emma, uma analista do FBI que é totalmente ignorada e considerada louca por todos aqueles em seu redor, foi a melhor parte do livro. Determinada, inteligente e extremamente desconfiada, acaba por ser Emma a roda dentada de toda a ação. Melhor que Emma só mesmo o assassino! O livro intercala entre capítulos do ponto de vista de Emma e o ponto de vista do assassino. Este decidira que os seus assassinados eram de tal forma perfeitos que o seu ponto de vista devia ser gravado para o estudarem no futuro.

Adorei a mente deste assassino que acabara por provar ser uma das pessoas que eu menos esperava ser. A forma fria e direta de ver os assassinatos. A maneira até mesmo poética de os descrever. Tudo isto aliado à fantástica escrita de James Patterson e David Ellis, tornou "Invisível" viciante, um livro que não larguei enquanto não acabei! Recomendo!

0 devaneios :