Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

domingo, 12 de junho de 2016
Autora: Lorraine Heath
Editor: TopSeller
Edição ou reimpressão: 2016
Páginas: 240
ISBN: 9789898839459

Sinopse:
Lady Grace Mabry tem tudo o que uma donzela debutante pode desejar: é bonita, inteligente, vem de boas famílias e possui um dote bastante valioso. No entanto, Grace desconfia dos inúmeros pretendentes que a cortejam, pois acredita que muitos estão apenas interessados na sua riqueza.
Para a ajudar a perceber se os interesses dos seus apaixonados são genuínos, Grace procura o seu amigo de infância, o Duque de Lovingdon. Sem qualquer fé no amor desde que perdeu a família, Lovingdon vive uma vida de libertinagem e prazer. Conhecedor dos jogos e estratagemas para conseguir a atenção de uma mulher, Lovingdon só tem de ensinar a inocente Grace a diferenciar as emoções falsas das verdadeiras.
Mas mal as lições começam, Lovingdon depara-se com um jogo demasiado perigoso, que parece não conseguir controlar…
Conseguirá o Duque abrir o seu coração inteiramente ou irá perder aquela que descobriu que ama?


Opinião:
Mais uma vez parabéns à TopSeller por esta capa fantástica! Todos os romances históricos desta editora têm capas fantásticas que prendem qualquer leitor e que dão vontade de acompanhar a história e de saber mais sobre o que irá acontecer. E apesar de serem por norma histórias cujo final conseguimos facilmente adivinhar, são livros que me arrancam imensos suspiros ao longo das suas páginas. Livros românticos, queridos e que levam qualquer romântica a ver tudo aos corações.

Grace Mabry é uma das jovens mais concorridas naquela temporada. Afinal não é apenas bonita, é extremamente rica, com um lote que leva qualquer pessoa a adorá-la sem a conhecer sequer. Mas Grace quer alguém que a ame realmente, quer alguém que a conheça a ela e não ao lote assustador que a persegue. E é por isso que tem uma ideia que considera fantástica!! Falar com o Duque de Lovingdon, um dos seus grandes, senão único amigo do sexo masculino em quem pode confiar e que sabe que a protegeria de tudo. 

Quando Lovingdon recebe o pedido da rapariga que conhecia desde criança, uma pessoa com quem brincava ainda não sabia o quão adorava as mulheres, fica sem saber como agir. Afinal de contas sim, Lovingdon é um mulherengo, mas não se quer meter em assuntos complicados nem nada que se pareça!! O que quer é andar sossegado, sem o chatearem e numa vida sem complicação alguma, algo que com o pedido de Grace acaba por ser extremamente complicado de se conseguir....

Foi um livro que se encontra muito dentro dos moldes dos romances históricos que esta editora costuma publicar. Romances queridos, com personagens que nos fazem suspirar e por quem torcemos do início ao fim. Temos uma personagem feminina muito inocente que apenas quer encontrar o amor e um personagem masculino que afirma que como já encontrara o seu verdadeiro amor e o perdera, não queria nada com esse sentimento.

É aqui que, pelo menos para mim, tudo se estraga. Durante todo o livro, até mesmo quando Grace finalmente compreende que se encontra apaixonada por Lovingdon, este afirma que nunca amará de novo... e durante a narrativa compreendemos que é porque estava loucamente apaixonado pela sua ex-mulher. Mas não sei porquê achei essa desculpa tão fraca! As suas ações iam contra o que ele afirmava e os seus pensamentos também não estavam atrás.

Este foi para mim o ponto fraco de todo o livro, ou seja, uma das barreiras que a autora dizia que existia para a relação não ocorrer, para mim nunca existiu. Mas tirando isso adorei o carinho entre as personagens, os jogos que eles faziam e todo o romance que estava no ar.

Um bom livro dentro do género, tal como a editora já nos habituou.

0 devaneios :