Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Código da Morte" de Lindsay Cummings

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

terça-feira, 14 de junho de 2016
Autora: Katherine Rundell
ISBN: 9789898730213
Edição ou reimpressão: 2015
Editor: Individual
Páginas: 256

Sinopse:
Sophie é resgatada por Charles Maxim das águas do Canal da Mancha, após o barco em que viajava ter sofrido um naufrágio. Sozinha no mundo, a criança não terá mais de um ano e fica a viver em Londres sob a tutela provisória de Charles, que a ama e educa como uma filha de verdade. Sophie cresce na esperança de vir encontrar a mãe, perdida no naufrágio. Mas cresce também num misto de felicidade e angústia, pelo receio de um dia ser forçada a ir para um orfanato.
E é naquela esperança, que no amor funde a irracionalidade da crença com a audácia e a astúcia da vontade, que chegado esse dia, Charles e Sophie decidem que há só uma saída: fugir de Londres e ir para Paris, à "caça" da mãe.
É aqui que Sophie conhece os vagabundos dos telhados e os torna cúmplices leais da sua aventura. É uma história de amor e de afetos, de laços de amizade e cumplicidade, de medos, angústias, sacrifícios, de hesitações e coragem, de argúcia e destreza. Dá voz aos mais pequenos e aos ignorados e marginalizados da sociedade. Os atos mais simples são os mais generosos, e a bondade é uma virtude relembrada a cada som que a música, sempre a música de um violoncelo, vai ecoando ao longo das páginas, por cima dos telhados.
E é uma história sobre a mãe. E sobre a filha. E sobre um homem que, não sendo pai, foi o melhor pai de sempre.


Opinião:
Desde que este livro saiu que queria lê-lo. Foi dos primeiros livros desta editora que eu vira e foi um que me chamou logo a atenção pela fantástica capa e pela estranha sinopse. Achei-a tão diferente do normal, única. Quando finalmente arranjei este livro por empréstimo (yeeaahhh!!), comecei a lê-lo e devo dizer que o que realmente me surpreendeu na narrativa foi o tom diferente da autora. Tem uma escrita muito própria e isso é o que se evidência de imediato durante a leitura.

Sophie dá literalmente à costa era ainda pequena demais para ter memórias da sua vida. Ninguém sabe quem é aquela criança, mas sabem que um navio naufragara no mar, sendo que provavelmente aquela pequena fora a única sobrevivente. Acaba por ser encontrada por Charles, um professor que adora o conhecimento e que, apesar de não ter experiência nenhuma a criar jovens mulheres, decide aventurar-se. Afinal de contas, existe algo naquela pequena que o faz querer adorá-la, não a conseguindo deixar abandonada ou simplesmente entregá-la aos serviços sociais.

A criança cresce e acaba por tornar-se um ser curioso e cheio de vida. Numa época em que uma mulher de calças e criada sozinha por um homem não era algo bem visto, a relação única que Charles tem com a sua filha, não é compreendida por ninguém. Sophie encontra-se constantemente a brincar com rapazes, a trepar árvores e a fazer atividades que apenas são adequadas para rapazes e não para raparigas, aprendendo mais sobre história e matemática do que costura e etiqueta, algo que a assistente social que acompanha o seu caso acha inadmissível.

Quando Sophie entra na adolescência, a assistente social acaba por determinar que Charles não é a pessoa adequada para a criar e a ajudar a compreender o ensino que todas as jovens deveriam ter e apesar de serem duas pessoas que se adoram, decidem que os vão separar. É assim que, levados pelas loucura, acabam por fugir para Paris, onde Sophie acredita que a sua mãe vive e onde Charles acredita que a assistente social não lhes pode tocar.

Esta é uma estranha história sobre os laços de amor. Não os laços de sangue, mas sim os laços criados entre nós e todos aqueles que nos dizem alguma coisa. Sobre o amor que cresce de uma relação entre dois sujeitos que não são nada um ao outro mas que se apoiam e adoram tudo o que fazem juntos. Foi sem dúvida alguma um livro que adorei sendo e que explora esse sentimento. O amor. Amor entre família e entre aqueles que decidimos que farão parte dessa família.

A autora explora todo esse sentimento de uma forma muito imaginativa e estranha, mas é essa mesma estranheza que se entranha durante toda a leitura do livro, viciando o leitor. Queremos saber mais sobre Sophie e a misteriosa mãe. Torcemos todo o livro para que Charles nunca se separe da filha adotiva e tudo o que não abona a esse favor nos faz ficar irritados. Queremos saber mais sobre os vagabundos dos terraços, em especial sobre um dos vagabundos.

Sim, é um livro diferente do normal, mas sem dúvida que é um livro que marca por essa diferença. Aconselho.

0 devaneios :