Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Química do Amor" de Emily Foster

Passatempo #1

Passatempo #1
Até 24 de dezembro

Passatempo #2

Passatempo #2
Até 27 de dezembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

quarta-feira, 16 de novembro de 2016
Autora: Kiera Cass
ISBN: 9789897542381
Edição ou reimpressão: 06-2016
Editor: Marcador
Páginas: 320

Sinopse:
A Princesa Eadlyn cresceu a ouvir histórias intermináveis de como a sua mãe e o seu pai se conheceram. Vinte anos antes, America Singer entrou na Seleção e conquistou o coração do Príncipe Maxon - e viveram felizes para sempre.
Eadlyn sempre achou romântica esta história de encantar, mas não tem qualquer interesse em tentar repeti-la. Por si, adiaria o casamento tanto tempo quanto possível. Mas a vida de uma princesa não é inteiramente sua e Eadlyn não pode escapar à sua própria Seleção - por mais fervorosamente que proteste.
Eadlyn não espera que a sua história acabe em romance. Mas com o início da competição, um candidato poderá acabar por conquistar o coração da princesa, mostrando-lhe todas as possibilidades que se encontram à sua frente… e provando-lhe que viver feliz para sempre não é tão impossível como ela pensou.


Opinião:
Apesar de a personagem principal da trilogia anterior me irritar um bocadinho, gostei imenso da trilogia e quando soube que ia sair uma nova trilogia, no mesmo mundo, passado alguns anos e com a filha dos antigos protagonistas, quis saber de imediato como ela seria e mais importante, como estaria o mundo de America após ter vencido a competição pelo coração do príncipe.

Eadlyn é a filha primogénita da rainha America e do rei Maxon, um casal que teve uma história romântica como poucas. Uma história conhecida por todo o país. Eadlyn tem um irmão gémeo, mas por poucos minutos conseguiu nascer primeiro, levando a alterações na lei para que alguém do sexo feminino pudesse governar. Tendo crescido protegida dentro das paredes do palácio, ao contrário da sua mãe que sempre conhecera o pior lado da vida até conhecer Maxon, Eadlyn é uma rapariga extremamente protegida que acha que o mundo lá fora é tal e qual dentro do palácio, perfeito e seguro.

Mas essa realidade está longe de ser verdade e Eadlyn apenas o descobre quando os seus pais a convencem - a custo -, a ter a sua própria Seleção, à semelhança dos seus pais, para encontrar quem pudesse governar a seu lado. É aí que Eadlyn conhece pessoas de outras realidades, muito diferentes entre si mas que têm um ponto em comum... Sabem mais do reino de Eadlyn do que ela própria.

Desta vez a nossa personagem principal é extremamente diferente da personagem principal da primeira trilogia. Eadlyn não conhece nada para além da vida de princesa real. Extremamente protegida pelos pais, Eadlyn acha que o mundo é um mar de rosas. Além disso, devido ao tratamento que sempre teve, é uma criança mimada, oportunista e deveras aproveitadora, características que a mesma tem noção. Mas também é decidida, determinada e com um elevado sentido de justiça.

A autora conseguiu utilizar bem as personagens que criou. No caso da princesa não a tornou demasiado comum e adorável, antes pelo contrário, criou uma personagem real que, devido à forma como fora criada, tinha uma personagem difícil, habituada a ter tudo como queria.

Neste livro acho que o que me prendeu nem foi Eadlyn mas sim alguns dos seus pretendentes. Temos desde um antigo amigo de infância que a conhece como ninguém e não tem medo de a atormentar, a um estrangeiro que não fala a mesma língua que Eadlyn mas que se esforça como ninguém para conseguir compreendê-la e falar com ela e o seu tradutor, um estranho homem com quem Eadlyn deve ter mais afinidade do que com muitos dos pretendentes.

Um livro que só peca pela mentalidade que a autora pôs na escrita em algumas partes... Desde a Eadlyn não puder governar sozinha por ser mulher, a por duas pessoas não serem do mesmo país não poderem de forma alguma se apaixonar... Mas de resto foi um livro que me prendeu e que gostei, talvez mais do que a trilogia original!

0 devaneios :