Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011
Autora: Alison Croggon
Edição/reimpressão: 2010
Editor: Bertrand Editora
ISBN: 9789722521079

Esta crítica é dos dois volumes de "O Dom" que na versão original são apenas um livro.

Sinopse:
O Dom, conta-nos a história de uma criança que perde os pais na guerra de Pellinor. Maerad, a criança, vem a descobrir que tem um maravilho Dom, mas não sabe o que fazer com ele. Só quando é descoberta por Cadvan, um dos grandes bardos de lirigion, a verdade da sua herança é revelada e Maerad saberá que tem de sobreviver às forças das trevas.


Opinião:
Já tinha estes livros por cá há um tempinho e como me surgiu a oportunidade de ler o segundo livro das crónicas decidi pegar-lhes.

Maerad é uma orfã que viveu desde que se lembra como escrava numa região protegida e cuja impossibilidade de fugir era memorável!! Ela queria fugir dali, queria ser livre! Mas cedo percebeu que tal era praticamente impossível, até que um dia vê um estranho homem, cansado e sujo que fica muito admirado por ela o conseguir ver! Esse homem chama-se Cadvan e é um dos grandes bardos de lirigion que fica imediatamente intrigado com a rapariga, decidido perguntar-lhe se esta quer fugir daquela aldeia com ele. Sem sequer pensar muito e com um instinto que lhe diz que pode confiar no bardo, Maerad foge com ele.

Mas o que parecia uma simples fuga muda totalmente quando Cadvan começa a achar o poder de Maerad demasiado forte para uma pessoa normal e a desconfiar que ela é a eleita de uma profecia muito antiga que diz que uma pessoa que não sabe do seu poder e não sabe usá-lo será a única a destruir o mal que se aproxima, descobrindo também que ela é a última da antiga casa Pellinor, a primeira casa a ser eliminada quando o mal apareceu.

Este livro foi bom para desanuviar do género de livro que tenho andado a ler. Como o nome da própria saga diz são as crónicas das aventuras de Maerad e de Cadvan. Este livro é uma introdução a toda a aventura e nele descobrimos quem é na realidade Maerad, qual o seu destino e o que deve fazer para o seguir. Fazendo-me relembrar um pouco de Eragon, mas com uma escrita muito mais adulta e muito mais envolvente (gosto da história da saga Ciclo da Herança, mas a escrita embora melhore, acaba por não me puxar muito). Maerad é uma personagem corajosa, curiosa e cujos problemas do passado continuam a persegui-la e observamos ao longo do livro como é que ela os ultrapassa. Cadvan é uma personagem misteriosa. Sem sabermos muito dele, descobrimos que odeia estar rodeado por pessoas, quando decide guardar um segredo nada nem ninguém o pode demover a dizer que segredo é esse e que embora nunca o tenha demonstrado, possuí um poder enorme!

Um livro essencialmente para amantes de livros de aventuras fantásticas cujo objectivo é derrotar um mal maior, mas com uma escrita que pode cativar qualquer tipo de leitor.

1 devaneios :

Anónimo disse...

gostei da sua opinião em relação ao livro :D