Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Se Eu Fosse Tua" de Meredith Russo

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sexta-feira, 16 de agosto de 2013
Autora: Lesley Pearse
Edição/reimpressão: 2009
Páginas: 400
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892306469

Sinopse:
Daisy tem apenas vinte e cinco anos quando a mãe morre nos seus braços. Embora saiba há muito que foi adoptada, sempre se sentiu amada pelos pais e pelos irmãos. Para Daisy, aquela é a sua família. Todavia, o luto vai abalar o equilíbrio doméstico e revelar rivalidades encobertas. A serenidade dá lugar à devastação, e a jovem sente que é a altura certa para partir em busca das suas raízes e confrontar-se com o passado.
Na ânsia por saber mais sobre Ellen, a sua mãe biológica, e à medida que vai desvendando a história da família, Daisy descobre as duras verdades por detrás do seu nascimento. Dotada de uma inabalável determinação, Ellen sobrevivera a uma infância traumática: a morte da sua própria mãe estava envolta numa aura de mistério e os maus-tratos de que fora vítima às mãos da madrasta haviam-na marcado irremediavelmente. O destino quis que a sua coragem fosse constantemente posta à prova. O tempo encarregou-se de apagar o rumo dos seus passos.
Mas Daisy não desistirá de a encontrar, nem que para tal tenha de renunciar ao amor da sua vida.


Opinião:
Não sei se sou só eu com essa sensação, mas TODAS as sinopses dos livros desta autora me enganam! Parecem sempre apontar para um romance "fofinho" e sem muito conteúdo e quando começamos a ler vemos que o livro que temos em mãos nada tem haver com a sinopse que nos fora apresentada e muitas vezes nada está relacionado, inclusive, com a capa.

Daisy sempre soube ser adoptada, mas nunca sentira a necessidade de ir procurar os pais verdadeiros, pois sempre amara os adoptivos. Mas mesmo antes do seu último suspiro a mãe adoptiva de Daisy admite-lhe o seu último desejo... Que ela vá procurar a mãe e tentar saber mais sobre esta e a sua vida. Embora esse nunca tenha sido um grande desejo de Daisy, visto ser o último desejo da mãe, acaba por cumpri-lo, numa viagem que a leva até à Cornualha e à história da sua mãe e irmã, uma história triste e preocupante de alguma forma.

Ellen era o nome da sua mãe. Uma rapariga que vivia com o pai, a madrasta e a sua meia irmã, filha do mesmo pai e da madrasta. Ellen dava-se muitíssimo bem com a irmã e não podendo ser mais diferentes na maneira de ser, eram muitíssimo parecidas no visual e eram as melhores amigas, revelando tudo uma à outra. Ellen era muitíssimo mal tratada e odiada pela madrasta, enquanto que o pai a amava loucamente. Já a sua irmã, embora não sentisse o mesmo amor que o pai tinha por Ellen, não era maltratada pela mãe, que apenas queria que esta fizesse um excelente casamento e subisse na vida.

Ellen era a inteligente, uma mulher que queria ir para a universidade e que tinha habilidade para tal, mas devido a uma paixão acabara por engravidar e deitar tudo isso para trás das costas. Mas apesar de tudo fizera sempre os possíveis para ajudar a sua querida irmã mais nova. Mas por vezes as prioridades mudam e os corações também.

Inicialmente e mesmo na sinopse, é-nos apresentada a pequena história de Daisy, a sinopse inicial de como a vida de Daisy se encontra no início do livro. O que não nos dizem é que este livro não é sobre Daisy mas sim sobre a sua mãe Ellen, a sua vida na pequena aldeia onde vivia, rodeada por pessoas que a conheciam desde pequenina. Pessoas que a amavam pela sua fantástica maneira de ser, outras que a adoravam pela sua inteligência e depois havia uma que não gostava dela... a sua madrasta. Foi esta relação familiar que acabou por destruir tudo o que havia de bom entre Ellen e entre Daisy e fizera com que o futuro destas fosse muito diferente do que poderia ter sido, mais negro e cruel.

Daisy acaba assim por quase desaparecer do livro e ser apenas uma introdução à verdadeira personagem, Ellen. Uma personagem que me encantou pelo seu espírito forte, inteligência e simpatia.

Mais uma vez a autora surpreendeu-me, embora este não tenha sido um dos meus livros favoritos da mesma tem os ingrediente a que a autora já nos habituou. Uma escrita fluída que prende o leitor e uma história romântica e dramática (esta autora tem um certo jeito para escrever dramas).

Um livro que recomendo, apesar de já ter lido melhor da autora.

1 devaneios :

Diário da Chris disse...

Olá.. Gostei muito da opinião..
Também concordo contigo é um livro bom, mas a autora tem livros melhores..
Beijinhos*

diariodachris.wordpress.com